Conheça a sonda semi-submersível Maersk Developer

Maersk Developer


 

Fonte: Maersk

Dando sequencia ao post anterior, Sete gerações de sondas semi-submersíveis, onde mostramos exemplo de sonda de cada geração, apresentamos agora a sonda semi-submersível para águas profundas Maersk Developer.

Confira as especificações técnicas e assista ao vídeo da Maersk Drilling para conhecer as inovações tecnológicas implementadas nesta sonda.


 


Maersk Developer – Especificações Técnicas


Ano de construção: 2009

Classe: American Bureau of Shipping

Área de trabalho: Lâmina d’água até 3.000 m (10.000 ft)

Dimensões do casco: 117 m x 78 m x 37 m (376 ft x 256 ft x 121 ft)

Classe de lâmina d’água: (em DP) 500 a 3.000 m (1.640 to 9.840 ft)

Classe de profundidade de perfuração: 10.000 m / 32.800 ft

Carga variável: 13.500 t

Suprimento de Energia: Wärtsilä 8x 16V26 – 4.960 kW

Equipamento de Controle de Poço: BOP de 18 ¾” – 15.000 psi; dois preventores de anular + seis preventores de ram

Guindastes:
– Guindaste Kingpost 60 t SWL; 50 m (165 ft) de alcance máximo;
– Guindaste boom Knuckle 165 t SWL; 50 m (165 ft) de alcance máximo;

Bomba de cimento: 15.000 PSI (em posicionamento livre)

Capacidade principal de içamento: 2.000.000 lb

Tração:
– Principal 6.000 hp
– Auxiliar 4.600 hp

Top drive:
– Principal 2.300 hp
– Auxiliar 1.150 hp

Bombas de lama: 4 x 2.200 hp (7.500 psi)

Capacidade/volume de lama: 4 x 170 m³ (6.000 ft³)

Capacidade/volume de cimento: 4 x 170 m³ (4 x 6.000 ft³)

Capacidade de lama líquida: 18.900 bbl

Acomodações: para 180 pessoas


O video está em inglês.

Se tiver dificuldades, clique aqui.

2 comentários em “Conheça a sonda semi-submersível Maersk Developer

  • 01/04/2015 em 18:23
    Permalink

    Pretendo um dia ,quem sabe,hoje ……. .Estou sendo chamado para passar um módulo de petróleo e gás,Sei que esse setor de perfuração esta cada vez mais avançando .Para melhorar esse desempenho estão cada vez mais se especializando os profissionais e sem dúvida estarei sempre me atualizando.Hoje estou atras de recolocação, em curto prazo os futuros profissionais estarão também.

    Resposta
  • 02/04/2015 em 17:42
    Permalink

    EXCELENTE APRESENTAÇÃO, A CADA DIA A TECNOLOGIA ESTÁ MAIS AVANÇADA,IMAGINEM HA 20 30 ANOS ATRÁS TUDO ERA FEITO MANUALMENTE, SEM CONTAR COM O RISCO EMINENTE DE ACIDENTES COM PERDA DE PESSOAS.O NAVIO ONDINA QUE ESTAVA SENDO CONSTRUÍDO NO ESTALEIRO ENSEADA AQUI NA BAHIA PENSO QUE SERIA NOS MESMOS MOLDES OU PARECIDO.PENA QUE AINDA ESTAMOS NA DEPENDÊNCIA DO GOVERNO DE ACHAR ALGUÉM INTERESSADO EM INVESTIR NA ÁREA. ESTOU NA TORCIDA QUE ACONTEÇA LOGO.

    Resposta

Deixe seu comentário