FLNG Prelude – O Gigante da Shell

Prelude


 Tradução: Pedro Gabriel | Fonte: Shell

Criar o primeiro projeto de unidade flutuante de gás natural liquefeito (floating liquified natural gas - FLNG) do mundo continua a ser um dos projetos de engenharia mais ambiciosos do mundo. Em ordem a garantir a combinação única de talento e tecnologia necessária para contribuir com esse projeto, a Shell reuniu habilidades técnicas e componentes inovadores de todo o mundo. Com a evolução do projeto, a Shell melhora a qualificação dos talentos e dos negócios locais através de parcerias com universidades e oportunidades de treinamento regional.

Tornar o FLNG uma realidade não é uma façanha simples. A Shell teve que inovar duro e investir pesado, encolhendo uma planta de GNL onshore (gás natural liquefeito em terra) a aproximadamente um quarto do seu tamanho. No entanto, eles estavam singularmente posicionados a alcançar o sucesso dadas suas capacidades comerciais; suas tecnologias de GNL, de offshore, de águas profundas e marítimas; e suas capacidades comprovadas de entregar com sucesso megaprojetos. Muitas das tecnologias utilizadas na unidade FLNG já foram utilizadas onshore, mas algumas foram estendidas ou modificadas para que processos como a liquefação e de descarregamento pudessem ocorrer no mar.

Tamanho importa quando se trata de estabilidade
Com o aumento do tamanho vem o aumento da estabilidade. Medindo quase meio quilômetro em comprimento, 74 metros de largura e pesando mais de 600.000 toneladas com seus tanques de carga cheios, o Prelude será a maior instalação flutuante offshore já construída. Por volta de 260.000 toneladas de aço serão utilizados na construção da unidade, que é cerca de cinco vezes mais a quantidade de aço utilizada para a construção da Ponte Harbour, em Sydney, Austrália.

Precisão é supremo
Cerca de 5.000 pessoas estão envolvidas na construção da unidade FLNG Prelude na Coréia do Sul, mais 1.000 pessoas no Turret Mooring System (Sistema de Ancoragem tipo Torre) e nos equipamentos de subsea e de poços. Observar a equipe no Estaleiro Samsung em Geoje, Coréia do Sul, medir com precisão de milímetros mostra como, apesar do tamanho colossal do Prelude, a precisão proeminente, a perícia e a dedicação da equipe são cruciais para o sucesso do projeto.

Bon voyage
Seguindo as duas metades massivas do casco sendo unidas, Willie Gray, sua equipe internacional e suas famílias acenam ao Prelude enquanto ele sai do dique-seco. Não é surpresa que, seguidas 18 milhões de horas de design e desenvolvimento, incluindo mais de dois anos de construção até então, Didrik Reumert, Diretor do Projeto, não consiga esconder sua admiração e orgulho quando olha para o Prelude. “É incrível. É muito grande, é muito impressionante e é uma realização fantástica alcançada por todos.”

A construção da planta de processamento está a caminho. Uma vez completo o projeto e ancorado a 200km da costa oeste da Austrália, uma nova fase iniciará, caminhando em direção ao ponto onde 3,6 milhões de toneladas de gás natural liquefeito serão processados por ano, juntamente com 1,3mtpa de condensado e 0,4mtpa de GLP.

Prelude ganha forma
Com os últimos módulos do topside instalados, a escala completa do projeto FLNG Prelude da Shell está tomando forma. A equipe de cinegrafistas da Shell se aventurou alto aos céus e nas profundezas do casco para capturar um vislumbre exclusivo do Prelude – a maior unidade flutuante já construída. Veja o último vídeo da Prelude aqui.

Um legado local
O projeto FLNG Prelude irá prover benefícios significativos à Austrália, criando cerca de 1.000 empregos e promovendo muitas oportunidades para os negócios australianos. De acordo com um analista independente do ACIL Tasman, durante os 25 anos de vida do projeto, o FLNG Prelude irá adicionar mais de 45 bilhões de dólares australianos ao PIB do país.

No oeste da Austrália, para construir capacidade e perícia locais para suportar o projeto FLNG Prelude, a Shell está investindo milhões de dólares em universidades locais e em supridores de educação, como o Challenger Institute of Technology (Instituto de Tecnologia Challenger) e a University of Western Australia (Universidade Oeste Australiana).

Jo Walker Smith, professor do Instituto Challenger, disse “É formidável ver o momento da ‘lâmpada’, quando os técnicos enxergam o elo entre os fundamentos da ciência e a engenharia que constitui a base dos processos que eles estiveram operando por tantos anos. Você pode ver como entendimento aperfeiçoado irá assistir ao assegurar que o Prelude operará no seu potencial máximo.”.

A Shell também fez parceria com a Universidade do Oeste Australiano (University of Western Australia – UWA) para patrocinar uma pesquisa de PhD relacionada à hidromecânica offshore, estruturas offshore e o comportamento de plantas flutuantes de gás natural liquefeito. O objetivo era garantir um expertise local, preparado, de primeira linha para esta tecnologia emergente, criando um centro de excelência para o FLNG.

Preparando para a produção no Prelude
Depois de anos de planejamento, preparo e integração, Jim Marshall acredita que o FLNG será modelo para a produção de gás. Mesmo que a construção do Prelude ainda está em andamento, seu papel já acarreta construir a capacidade organizacional para trazer o Prelude a produzir.


Veja mais alguns vídeos da Shell sobre o Prelude:

The Shell Prelude FLNG project takes a giant step forward

Prelude's maiden voyage

Prelude - Around the world

Seguir o TecPetro por e-mail

Cadastre seu endereço de e-mail para seguir o TecPetro e receber notificações de novas publicações por e-mail.

6 comentários em “FLNG Prelude – O Gigante da Shell

Deixe seu comentário